O Bolso do Cidadão e as Legislativas 2019 – Parte 1

Estando as Eleições Legislativas 2019 à porta, decidi que seria uma boa oportunidade para falarmos do nosso futuro (o nosso futuro financeiro, claro!) de uma forma leve e de fácil percepção no que diz respeito às politicas que estão a ser propostas.

Votar é um DIREITO que nos foi concedido. E apesar de muitos pensarem que é irrelevante, tem vários benefícios: Ficas bem visto nas redes sociais ao pores uma “story” na mesa de voto. Sentes um certo orgulho de cumprires a tua parte. E, acho que é o mais benéfico, pôe-te a pensar um pouco no futuro e o que te espera!

Isto lá está, se não fores só jogar ao galo no domingo, dia 6.

E para ajudar a teres uma melhor visão do teu futuro (porque politica não é o meu interesse principal neste artigo) vou fazer um resumo do que está nos programas eleitorais que tenham impacto na vida financeira dos portugueses! Serás livre de usar este critério para votar.

Comecemos então a digerir isto com os partidos que estão atualmente no parlamento e da direita para a esquerda com:

CDS-PP – Querem reduzir impostos e tornar a carga fiscal para as famílias mais aceitável para podermos poupar e investir. Vão em maior detalhe dizendo que querem baixar os impostos em 15% a taxa efetiva média até 2023. juntamente com isto também querem reduzir o IRC para 17% já em 2020, que pode potenciar o crescimento das empresas. Segundo dizem, estas coisas boas vão ser financiadas com o excedente orçamental previsto no programa de estabilidade a 4 anos. Há uma iniciativa que me chamou à atenção, “valorizar a poupança e o investimento, não tributando o
rendimento investido”. Aparentemente os ganhos se forem reinvestidos estão isentos de IRS e só pagamos IRS quando os ganhos forem “levantados”. Há outros assuntos que são sempre do interesse de cada um (que poderia acrescentar mas sairíamos do tópico) e para isso podem ler as restantes medidas aqui. De uma forma geral o CDS-PP quer aumentar o dinheiro disponível do cidadão e beneficiar mais quem tem um maior agregado familiar, leia-se “descendentes”, num estimulo à economia e à natalidade.

PSD – Ainda à direita (mas a chegar ao meio) vemos um foco no alivio da carga fiscal nas empresas para termos um IRC de 17%, mas com limitações. Têm previstos muitos benefícios às empresas para melhorar a competitividade. Fala-se em redução da carga fiscal para o cidadão (IRS) sem que se adiante muitos pormenores . Vê-se também referências a um aumento do salário mínimo para 700€, até 2023, que poderá influenciar a subida geral dos ordenados em Portugal, ou promover o despedimento das pessoas que têm esse ordenado. Se quiseres ver outros temas e quais são as propostas podes ver aqui. Tenho alguma pena que não haja valores para estas medidas. A falta de especificidade é compreensível mas mesmo assim é pena.

PAN – O partido dos animais e da natureza tem também algumas coisinhas para atrair os animais bípedes que usam roupa. Há referências a benefícios fiscais para quem quer PPRs e rever as deduções à coleta (devolução de IRS) para incluir mais categorias como “sustentabilidade”, por exemplo. Claramente aqui um esforço de privilegiar as escolhas “verdes” no consumo e punir o consumo de bens menos sustentáveis, incluindo agravamento de impostos no fornecimento de energia de origem fóssil. No que diz respeito a salários, o objetivo do PAN é subir o salário mínimo em 50€ por ano até ao fim da legislatura (800€ em 2023) e aumentar a remoneração de trabalho em horas extraordinárias. Para outros temas podes ver aqui. O programa do PAN como não poderia deixar de ser, foca no ambiente e na natureza (que é bem necessário) mas falta na politica económica para o cidadão.

PS – Virando à direita aparece o partido que está atualmente no poder. Sem grandes surpresas o PS não entra em grandes detalhes e não se compromete com medidas concretas de redução de IRS mas, querem “devolver o rendimento às familias”. O que quer que isto seja. Vê-se muitas ideias para “assegurar a qualidade da despesa pública” e muito é dito sobre o aumento dos ordenados na função publica. Ótimo se és funcionári@ público. E da politica finaceira é isto. Podem conferir os textos aqui caso queiram ver as restantes propostas.

CDU (PCV-PEV) – Os nossos camaradas do partido comunista têm também as coisas principais bem colocadas no seu site. É facil ver que as propostas que nos interessam mais são o aumento generalizado dos salário e um salário mínimo ambicioso de 850€, aumentos das pensões e reformas em 40€ nos próximos 4 anos, redução do IVA mais alto para 21% e o IVA do gás e eletricidade para 6%. Para quem tem pequenos negócios há ajudas A pequenas e médias empresas. e Para quem ganha mais de 152.000€ ou 500.000€ por ano aparece uma taxa de 65% ou 75%(!) de IRS, respetivamente (*ui!*). Aparecem também descidas generalizadas de IMI e IRC. Para quem trabalha a coisa também fica mais agradável com a redução generalizada do horário de trabalho para 35 horas semanas e 25 dias úteis de férias!

BE – No na ponta esquerda do nosso hemiciclo, com o Bloco de Esquerda temos o compromisso de aumentar o salário mínimo para 650€ já em 2020 e ir aumentando a um ritmo mais elevado do que tem sido feito até agora (em média). É apresentado um plano para restruturar a dívida do país para lhe dar mais robustez, que pode influenciar o curso dos próximos anos para todos nós. No que diz respeito a IRS é feita a referência à introdução de 2 novos escalões, e a constante temática da taxação de fortunas volta a aparecer, mas nada mais é dito sobre taxas de IRS. Para o pequeno investidor há uma pequena boa noticia: é proposto uma nova série de certificados do tesouro e aforro com taxas melhores que produtos concorrentes. Para mais detalhes podem ver todas as propostas aqui.

Sem querer tecer grandes conclusões, para que não penses que te estou a influenciar, apenas digo que há propostas para todos os gostos e gosto particularmente de propostas que me dêem informação concreta, seja ela positiva ou não.

Espero que esta partilha te ajude a entender um pouco o rumo que, os nossos potenciais futuros governantes, nos querem levar e quem sabe tirar algumas dúvidas que possas ter em relação em quem votar.

Para a semana irei apresentar as ideias dos 14 partidos restantes que não têm assento parlamentar.

Até lá,

Z

Não se esqueçam de nos seguir no Facebook e subscrever o nosso canal do YouTube para ouvirem os nossos podcasts!

2 opiniões sobre “O Bolso do Cidadão e as Legislativas 2019 – Parte 1”

  1. Sem dúvida um artigo de grande interesse Z. Saber como deverá ser o futuro do país é sempre muito bom e ter todas as opções compiladas num só sítio facilita imenso a vida de quem tem de ir votar. Gostaria que alguns partidos fossem mais específicos, mas regra geral vemos uma vontade de impulsionar o país para a frente. Se será possível ou não, não sei mas se pudesse votar a CDU levava o meu “jogo do galo” pois sempre fui determinantemente contra as taxas de bens essenciais como o gás e a electricidade serem taxados como bens de terceira necessidade.

    Obrigado pelo belo artigo Z!👏

    Liked by 1 person

  2. Porreiro pah! (in) Felizmente já votei a semana passada! Vida de emigrante, sabem…
    Tenho estado muito distante da politica em Portugal, porque actualmente o Brexit acaba por me importar mais. Mas o artigo foi bastante agradável, conciso e informativo! Well done Z!

    No futuro e com a ambição de voltar a base, deveria começar a prestar mais atenção ao que se passa por Portugal! Veremos…

    Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s