O nascer de uma nova China

China

Caríssimos, para os menos atentos (que adivinho que sejam muitos) trago-vos novidades fresquinhas, para os mais atentos congreguemos em volta deste novo rebento!

Falo-vos de uma (nova) China que foi (literalmente) injectada nos mercados!

Obviamente que não nasceu/emergiu um novo país no meio do Oceano Pacífico. O que de facto se passou foi a injecção cerca de 12 triliões de dólares no espaço de UM MÊS na economia mundial para lidar com todos os condicionalismos e restrições impostas para lidar com o vírus Covid-19.

E não consigo expressar a magnitude destes valores nem por palavras, nem por ferramentas de edição como o Negrito ou o Sublinhado

Evitando a discussão sobre a validade das medidas, a pergunta realmente importante, é:

De que forma isto vai afectar os nossos investimentos?

Creio que a resposta seja simples:

Inflação

Long story short, o mundo produz exactamente os mesmos bens do que antes (na verdade menos, devido às restrições para lidar com o vírus Covid-19), todavia dinheiro em circulação a nível mundial aumentou imenso, de maneira a que o valor atribuído a cada bem irá ser substancialmente superior.

E os números são enormes! Suplantando as injecções de capital após a grande crise de 2008. No prazo de um mês,  cerca de 12 triliões de dólares foram criados e injectados na economia mundial, ou seja, o tamanho de TODA a economia chinesa em 2017, cerca de 15% do valor da economia mundial! Nunca é de mais repetir: o valor da segunda maior economia mundial foi criado e injectado na economia mundial no espaço de um mês! Um mês! UM MÊS!!!

UM MÊS!!!

Ok, se calhar agora já chega de repetir…

Em teoria, os preços deveriam subir na mesma percentagem, mas a maquina económica não nos devolve reacções instantâneas ao que se passa no mundo, mas mais cedo ou mais tarde irá fazê-lo.

Após a grande crise de 2008, as taxas de juros baixaram e as impressoras dos bancos centrais trabalharam noite e dia. A inflação pouco se viu a nível de bens de consumo, mas a nível de activos os efeitos foram notórios.

Na América as condicoes normalizaram, mas a nivel europeu as impressoras continuaram ligadas e as taxas de juros sub-zero, com a inflação dos bens de consumo bem a baixo da meta de 2% do BCE.

E… a inflação não chegou!

Muita gente está convicta que a inflação está morta.

Discordo!

Aliás, a pressão inflacionaria é cada vez maior com a crescente adição de estímulos por parte dos governos e bancos centrais. Como um balão que se vai enchendo de ar… enchendo… enchendo… BOOM! Até que rebenta!

E é este BOOM de inflação que creio que esteja prestes a chegar!

quote-markets-can-remain-irrational-longer-than-you-can-remain-solvent-john-maynard-keynes-48-92-15

Tomem tudo com uma pitada de sal, inclusivamente o que eu vos digo! E nunca se esqueçam que os mercados podem manter-se irracionais mais tempo do que vocês se podem mater solventes. Seja psicologicamente, seja monetariamente.

E antes de vos dizer como pretendo surfar a onda de inflação que está a chegar, quero voltar a frisar que todos devemos investir de acordo com as nossas convicções!

X investiu em Ouro primeiramente em Outubro de 2018. Passei por momentos de 50% positivo a 10% negativo.

X investiu em Bitcoin primeiramente em Abril de 2019. Por momentos tive tanto ganhos de mais de 150%, como perdas de 30%.

X investiu em Petróleo primeiramente em Dezembrom de 2019. Com orcilações entre os 15% de lucro aos 55% de prejuizo.

O denominador comum para além da volatilidade dos activos, é a minha convicção ao investir nos mesmos, tendo ao longo do tempo não só mantido as minhas posições, como as tendo reforçado!

Dito isto e para terminar a onda de disclaimers, não estou all-in nos investimentos acima referidos, se bem que uma grande fatia dos meus investimentos passa por eles.


Passados os disclaimers, e partindo do principio que iremos regressar em força à Inflação, temos que tentar perceber qual a melhor maneira para lidar e beneficiar da mesma.

Onde posso investir para surfar o tsunami inflacionário que aí vem?!

Creio que a resposta certa sejam bens com oferta limitada, ou seja bens finitos, os chamados hard assets. Propriedade (real estate) e Matérias Primas (commodities) vêem logo à memória.

Creio que a nível o real estate já tenha sofrido bastante pressão inflacionária desde a ressaca da Grade Crise de 2008, tendo valorizado bastante nos ultimos 10 anos. Não digo que seja uma má aposta, e apesar de ser um grande fã desta área, salvo uma grande oportunidade (quem sabe uma parceria WXZ…) não me vou apostar nesta área num futuro próximo, tanto pelos preços relativamente elevados, como pelos elevados valores requeridos para tal, e principalmente visto que a maior fatia dos meus investimentos esteja investida, nem mais nem menos, do que em Propriedade.

Se estiverem a pensar investir em propriedade não deixem de dar uma vista de olhos no meu artigo de Maio de 2008: Como investir em Imobiliário. Apesar de antigo, creio que se encontre perfeitamente actual!

sp500 vs commodities

Restam-nos as commodities, que são inúmeras, e regra geral, boas opções para fazer face à inflação! Creio ser importante partilhar dois pontos que avancei num artigo de Fevereiro deste ano, onde analisei o mercado das Matérias Primas e em especial o petróleo (podem aceder aqui).

  1. Everything Bubble – baixas taxas de juros e QE (quatitative easing, vulgo. imprimir dinheiro) inflacionaram a generalidade dos mercados, com raras excepções.
  2. Commodities – as Matérias Primas foram das poucas exceções à inflação generalizada. Estando subvalorizadas comparativamente com os restantes activos, nomeadamente o SP500 (gráfico acima).

Como sabem encontro-me investido em petróleo, ouro e bitcoin. Mas creio haver um activo ainda melhor do que qualquer um destes para surfar em grande estilo a onda inflacionaria. Mas já lá vamos.

Já vos falei bastante sobre Petróleo e Ouro e podem consultar os mais diferentes artigos escritos por mim e pelos meus colegas em ambas as áreas. E já dei um cheirinho sobre Cripto Moedas, mas nunca abordei o temos mais aprofundadamente. Não o vou fazer hoje, mas vou-vos falar um pouco sobre Bitcoin.

Bitcoin pode é um activo digital criado durante a Grande Crise de 2008, tendo como grande objectivo ser uma alternativa ao sistema financeiro como o conhecemos. Sem entrar em grandes detalhes gostaria de a comparar ao ouro, mas em formato digital, visto ser uma forma de armazenar valor. Ao contrário das moedas dos diferentes países, que podem ser criadas a qualquer momento pelos bancos centrais, as Bitcoins não pode ser criadas por iniciativa própria (para além total estipulado no seu código: 21 milhões). Nesse ponto, tanto a Bitcoin, como o Ouro, apresentam-se como boas alternativas, relativamente ao dinheiro/cash, para fazer face à inflação visto não poderem ser artificialmente geradas.

A valorização das Bitcoins é um tema complexo, tendo começado por valer, virtualmente, nada, e tendo atingido valores a rondar os 20 mil dólares. Hoje em dia, uma Bitcoin vale cerca de 7000 dólares. Nos dias que correm, qualquer coisa a baixo dos 10.000 dólares parece me um bom ponto de entrada, mas temos um curto histórico de preços e uma enorme volatilidade que pode por muitos pontos de interrogação sobre um bom ponto de entrada neste activo especulativo, o que me leva a procurar alternativas melhores.

O que me levou até ao Ouro, um activo especulativo com a coroa de rei, tanto em termos de histórico (mais de 5000 anos) como em termos de conservar o seu valor. Com tamanha perspectiva histórica, mediante inúmeros indicadores podemos considerar o ouro um bom investimento para lidar com os eventos no curto prazo, como as imposições causadas pelo Covid-19, com a recessão que aí vem, etc. Mas também com questões mais estruturais, como a inflação, o colapso do sistema financeiro como o conhecemos, etc.

Mas foquemo-nos no curto/médio prazo. E neste ponto muita gente já acordou para o facto do ouro se um activo de refugio com um histórico solido que o comprova, daí os ganhos que temos vindo a verificar nos últimos meses.

  • Se me perguntarem se já vão tarde para este barco D’Ouro, a resposta é: definitivamente não.
  • Se me perguntarem se há melhores alternativas, a resposta é: provavelmente!

gold-to-silver-ratio-2020-04-15-macrotrends

O que me leva à Prata! Algo que pouco falei nos meus artigos, mas que estranhamente me tem assombrado há meses. A Prata pode ser comparada a “Ouro em esteroides“, mais tecnicamente a Prata tem um elevado Beta em relação ao Ouro, ou seja, replica o seu comportamento amplificadamente. Por exemplo, se o ouro sobe 5%, a prata pode subir 10%; ou se o ouro desce 15% a prata desce 30%. Neste caso o Beta seria de 2.

Podemos olhar para a Prata como um investimento em Ouro alavancado, o que acarreta obviamente mais risco e volatilidade. Todavia, creio que este risco seja historicamente bastante mais reduzido dado o rácio ser superior a 100, ou seja, 1 onça de ouro vale mais de 100 vezes mais do que 1 onça de prata. Na verdade ao dia de hoje (15/24/2020), o rácio é 111!!!

O gráfico deve ser suficiente para por estes números em perspectiva, mas devo ainda acrescentar que a média deste rácio é de 47 no Século XX, e de 60 nos ultimos 20 anos. Desta forma e perante uma perspectiva histórica, creio que tenhamos um downside mínimo da prata em relação ao ouro.

E se a Prata é “Ouro em esteroides“, os mineiros de prata não sei bem o que lhe hei de chamar, mas certamente nos oferecem uma grande alavancagem em relação ao preço dos metais preciosos supracitados.


Conclusão

Para fazer face às forcas inflacionárias, deveremos optar por investir em hard assets, onde considero propriedade, matérias primas e bitcoin.

Historicamente as matérias primas encontram-se baratas relativamente aos restantes mercados, com especial destaque para os metais preciosos.

Ouro e Prata são óptimos investimentos como meio de preservar valor e poder de compra no longo prazo e são boas opções para lidar com momentos economicamente adversos desde recessões a ondas inflacionarias.

Podemos olhar para as empresas que exploraram metais preciosos como uma forma de alavancar a nossa posição ao investir nas mesmas.


Os meus Investimentos

Estou investido na Hochschild Mining desde Junho de 2019 e este mês reforcei ligeiramente a minha posição. Estou cerca de 27% negativo.

Para finalizar uma breve, mas importantíssima nota, que merece ser reforçada:

Num artigo de Julho de 2019 falei-vos um pouco sobre o meu raciocínio para investir nesta empresa, onde mencionei que o rácio entre o Ouro e a Prata estava altíssimos, na altura cerca de 90, hoje o rácio é de 111 como mencionei acima, há cerca de 1 mês atrás este rácio passou os 126!!!

Historicamente faz sentido? Não. O rácio pode continuar a aumentar para valores ainda mais irracionais? Sim.

quote-markets-can-remain-irrational-longer-than-you-can-remain-solvent-john-maynard-keynes-48-92-15

Não me querendo repetir, nunca é de mais lembrar:

Os mercados podem manter-se irracionais mais tempo do que nos podemos mater solventes

Bons investimentos,

X

 

 

Publicado por

Senhor X

Mais uma pessoa aleatória a tentar vingar na vida, ambicionando a independência financeira o quanto antes!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s